Notícia

Produção agroindustrial continua em recuperação

Produção agroindustrial continua em recuperação

Produção agroindustrial continua em recuperação

Depois de registrar variações interanuais negativas desde março, quando o novo coronavírus começou a se espalhar pelo país, o Índice de Produção Agroindustrial Brasileira (PIMAgro) calculado pelo Centro de Estudos em Agronegócios da Fundação Getulio Vargas (FGV Agro) voltou ao azul em julho.

O indicador subiu 1,5% ante o mesmo mês de 2019, puxado pelo setor de alimentos e bebidas, que cresceu 10,4%, Em relação a junho deste ano, o avanço foi de 4,4%.

O PIMAgro é baseado em dados da Pesquisa Industrial Mensal (PIM-PF) do IBGE e nas variações do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-BR), da taxa de câmbio e do Índice de confiança do Empresário da Indústria de Transformação (ICI) da FGV.

O FGV Agro destaca que, ante julho de 2019, a performance da agroindústria foi melhor que a dos demais ramos industriais pesquisados – a indústria geral recuou 3%, as de transformação caíram 3,6% e as extrativas subiram 0,9%. Mesmo assim, nos primeiros sete meses do ano a produção agroindustrial registrou queda acumulada de 4,7% ante igual intervalo de 2019.

“Mas, de modo geral a agroindústria, apesar de não ter passado ilesa pela crise, na média conseguiu ser impactada de forma menos intensa e vem demonstrando uma recuperação mais acelerada que os demais segmentos industriais. E Isso se deve, sobretudo, à maior essencialidade de seu produtos, principalmente os alimentícios”, avalia o centro.

Na área de produtos alimentícios e bebidas, a reação observada em julho foi determinada pelos incrementos das produções de bebidas alcoólicas (alta de 24,2% em relação ao mesmo mês de 2019) e de alimentos de origem vegetal (17,6%).

No segmento de produtos não-alimentícios, contudo, diversas cadeias ainda enfrentam mais dificuldades. O segmento como um todo caiu 8,2% em julho na comparação interanual, pressionado pelos recuos de têxteis (26,8%), borracha (14,9%) e biocombustíveis (8,9%).

Fonte: MilkPoint