Notícia

Ministra da Agricultura empossa novos secretários

Ministra da Agricultura empossa novos secretários

A ministra da Agricultura Tereza Cristina deu posse nas secretarias no seu ministério. Na secretaria nacional de Política Agrícola foi empossado o servidor do Mapa, Eduardo Sampaio Marques; na secretaria de Defesa Agropecuária, José Guilherme Tollstadius Leal; na secretaria de Aquicultura e Pesca, o catarinense Jorge Seif Júnior; na secretaria de Agricultura Familiar e Cooperativismo, Fernando Henrique Kohlmann  Schwanke do RS; na secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio, o embaixador Orlando Leite Ribeiro e  na secretaria Especial de Assuntos Fundiários, Nabhan Garcia.

O secretário executivo do Mapa, deputado federal Marcos Montes, assinou o termo de posse mas vai assumir o cargo efetivamente quando encerrar seu mandato na Câmara Federal, em 1º de fevereiro. A nova secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação ainda não tem titular nomeado.

Estiveram presentes solenidade de posse o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira; representante da FAO no País, Rafael Zavala;  o diretor do Agronegócio do Banco do Brasil, Marco Túlio; presidentes de empresas vinculadas ao Mapa; além de deputados, senadores e representantes do setor privado, como presidente da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Márcio Freitas.

Na ocasião a ministra Tereza Cristina enfatizou que “um só ministério olhará com igual destaque para todos os produtores”.

“A agricultura familiar terá integral apoio de nossas áreas de inovação, pesquisa, assistência técnica e extensão”, afirmou, destacando “a urgente necessidade de realizarmos titulações de terras, pois o cenário atual implica absoluta insegurança jurídica e impede acesso aos recursos de crédito, inviabilizando a produção e determinando subordinação aos programas sociais”.

Sobre a pesca e aquicultura, a ministra lembrou que o País tem cerca de 8.000 km de costa marítima e cerca de 12% de toda água doce do planeta e que “teremos obrigação de aplicar todo este potencial em favor da produção de alimentos gerando emprego e renda”.

Fonte: Coordenação geral de Comunicação Social do Mapa